"O mais corajoso dos atos ainda é pensar com a própria cabeça"

29/09/2015

Reflito fechada no meu silencioso escuro quarto, não sei que horas são, e a preguiça de esticar o braço até ao relógio é maior que tudo, espero pelo sono, mas apenas bocejo inutilmente. 
Fito as paredes do meu quarto como se fosse o universo, passam por mim inusitados pensamentos, capazes de tirar a pouca imobilidade, deixando me inquieta, talvez seja saudade, ou então apenas ansiedade...
Não me sinto depressiva ou bipolar, apenas é uma insónia, uma insónia boa, onde durmo mal, mas penso o bem, é a mesma razão que me faz sorrir, sonhar, enlouquecer, continuar, e lembrar...
A madrugada que tarda nada vem, trará um dia igual a este, seguido por uma noite igual a esta. Talvez não lhe deva chamar insónia, mas sim de sonhos, sonhos amontoados que me perturbam o sono, sonhos que não sei se irei alcançar...
Os meus olhos insistem em me manter acordada, e eu obedeço, continuarei aqui, sentada na cama, com os cotovelos nos joelhos, e o queixo apoiado nas mãos, parada, cheia de pensamentos, a ver a noite passar.
Tornou-se o melhor momento para transbordar a criatividade da minha mente, minha imaginação tornou-se maior que o sono, crio episódios que possivelmente não irão acontecer. Deito-me, viro-me de um lado para o outro, tentado dormir, mas desisto. A culpa é minha, pois sei que lá no fundo, deito-me para fantasiar, projectar, sonhar, mas não para dormir...



Não te peço flores, nem um jantar romântico, muito menos uma caixa de chocolates;
Não te peço que nós vejamos filmes abraçados, nem que leiamos poesia juntos;
Não te peço que nós passeemos na praia ao pôr-do-sol, nem que deixes bilhetes de amor em locais inesperados;
Não te peço que me dediques ou cantes músicas, nem que me beijes a chuva;



Apenas peço que me ames tal como eu te amo.
Desculpa se é pedir muito.

27/09/2015

E não, não estou a falar do mero joguinho da forca, é mais que isso. Existem palavras, existem palavras sem sentido, existem palavras com sentido e depois existem palavras que magoam. Essas que magoam são sempre ditas da boca para fora e de quem mais ama-mos, sabes, isso costuma doer. Cada vez que essas palavras são ditas, tornam-se em cubinhos de gelo que esfriam aos poucos a nossa alma, tais palavras incertas que rasgam por dentro, e que ferem por fora, palavras destrutivas que ressoam na mente como um eco. Sabe-mos bem que uma simples palavra nos magoou quando nossos olhos se enchem de lágrimas como se sentisses um estalo na cara. Ninguém tem noção disso até ser atingido por essas ditas palavras, palavras de quem só espera-mos o bem...

Sim, novamente digo, palavras magoam, mas a falta delas também, são capazes de soltar palavras cruéis, impiedosas, intoleráveis, mas difícil é engolir o orgulho e saber dizer uma mera palavra angelical, ou então ter uma atitude admirável, não basta só um pedido de desculpas, desculpas não fazem esquecer aquele assombro de palavras deploráveis.

"Paus e pedras podem quebrar ossos, mas palavras, ah, essas são capazes de matar a alma"  

25/09/2015


Mas olha para nós, somos o que então? Namorados?
Somos mais que isso, confidentes, amantes, somos loucos um pelo outro, mas ninguém se apercebe de nada...

Não importa o quão difícil ou estranho seja, tento qualquer coisa, para fazer esse sorriso, tão lindo, aparecer, fazer aparecer também, aquele brilho nos teus olhos quando alguma coisa te agrada, mas ninguém vê nada...

Iluminas os meus dias, aqueces me alma, fazes sentir tamanha felicidade, sinto me amada como nunca achei que alguém amaria, mas ninguém entende nada...

Eu não me canso de falar em nós, eu não me canso de nos respirar, eu não me canso em pensar em nós,  não me canso de querer, de desejar, de imaginar, de lembrar e relembrar, mas ninguém nota nada...

 Há um turbilhão de sentimentos dentro de mim, só existe tu nos meus pensamentos, meus olhos só enxergam os teus, meus lábios só querem tocar nos teus, minhas mãos só querem sentir as tuas, mas ninguém repara em nada...

Vontade de gritar ao mundo, mas apenas sussurro-te ao ouvido, Amo-te, ninguém precisará de saber de nada.

24/09/2015


Todo mundo passa pelo constrangimento de ser julgado pela sua aparência, independentemente se seja rico, pobre, feio ou bonito, por ai fora, todo mundo sabe disso, falam, gritam ao quatro ventos sobre esse mesmo assunto, mas nada irá mudar, é como se fizesse parte da natureza do ser humano, tirar conclusões sobre outras pessoas sem uma mera palavra trocada, apenas com um rosto fazem uma história.
Eu sinto me livre, livre de julgamentos, de preconceitos, de conclusões precipitadas ao meu respeito. Pensam, digam, façam, questionem e eu responderei: Eu sinto me feliz assim, não me conhece, então não me interprete. Sou de carne e osso, sou de sensações, de sentimentos, de experiências que me fizeram amadurecer, mas que acima de tudo definiram a minha personalidade, que a propósito nunca mudará independentemente do que especulem ou relatem.


Medo de preconceitos, julgamentos e calúnias é para quem não conhece a si próprio.

23/09/2015

Encontrar o nosso verdadeiro eu é das coisas raras que possa-mos fazer, vivo de mim e para mim, pois serei a única que estará comigo até ao dia em que soltarei o ultimo suspiro, parece egocêntrico, mas é apenas o meu amor próprio, sim, consigo dizer sem receio algum que me amo.Defeitos? Tenho inúmeros, mas quem não os tem? Tal como as qualidades fazem um carácter, defeitos também.

Tenho uma vida inteira para me conhecer, e cada dia eu aprendo algo novo sobre mim, é impressionante como eu me fascino ao ver me a crescer, a evoluir, aprender, e até mesmo a falhar, faz tudo parte do meu "EU", eu não me limito a só olhar ao meu redor, as pessoas amam os seus trabalhos, amam os seus filhos, amam os seus companheiros, os seus familiares, não estou a dizer que é errado, amar o próximo será sempre uma das coisas bonitas que possa-mos fazer, mas pergunto-me, vós amais-vos? 

A pessoa certa para amar, estará no reflexo de um espelho...