"O mais corajoso dos atos ainda é pensar com a própria cabeça"

20/04/2017

Não adianta. Um dia tu serás magoado e um dia tu também irás magoar alguém...

17/03/2017

...

Estou aqui, estou aqui para descarregar um pouco, estou no meu limite, sinto me com mais 30 anos em cima, sinto me esgotada, era suposto estar feliz pelas pequenas conquista que tenho conseguido, mas não, com elas vieram responsabilidades que talvez não estava preparada. Estou inteiramente em pedaços, mas tenho que ser cuidadosa para não ferir ninguém com os meus cacos.

Como desejo viver longe deste caos, longe destes golpes fortes que até a minha cabeça doí, só preciso de respirar, preciso de um alivio imediato, só preciso de encontrar a minha paz...

08/11/2016

Hoje foi o meu dia, não, não faço anos e nem é uma data especial, foi o dia inteiramente dedicado a mim. Há um mês atrás a minha vida deu uma grande reviravolta, aconteceram coisas boas, muitas boas, finalmente entendi que as coisas acontecem ao seu tempo.
Hoje poderia ser mais uma simples terça, o dia da minha folga, mas não, eu estive sozinha, eu estive inteiramente só para mim, eu precisava disto. Por mais que ame as pessoas que me rodeiem eu sempre gostei do silencio, da minha paz, de poder escrever, ler sossegada no meu quarto. 

Eu realmente precisava disto.

24/09/2016

Há pessoas que tem o dom de me por doente, nossa senhora. Fico mesmo a pensar o porquê de bater papo com pessoas assim, é que chega um ponto que a discussão não faz mais sentido, o quão ridículo a conversa se torna. 
Estou a escrever isto e ainda estou meio confusa, perdi me literalmente nas barbaridades que ouvi. 
Fui fazer uma comparação e já fui acusada de isto e aquilo, e depois o mais engraçado é quando não tem o poder de argumentação e começam a insultar sem qualquer necessidade. 
É com cada filme

17/09/2016


Estava para aqui a recordar me das minhas maluquices e uma das melhores certamente tenho que partilhar convosco.


Eu não sei bem que idade tinha, mas pelas contas da minha mãe tinha 3 ou 4 anos (nem sei como me lembro disto), mas continuando, eu e o meu irmão por mais brigas que tivéssemos, andávamos sempre colados um ao outro. Um dia estávamos a brincar perto de um terreno da minha vizinha onde tinha uns degraus de terra e um castanheiro, até ai tudo bem, mas pela pouca sorte do meu irmão ele caiu nesses degraus, ficou todo picado por causa dos ouriços que dão castanhas, a minha mãe ao ver aquilo repreende-o, mas ficou por ai.

No dia a seguir a minha mãe levou o meu irmão a escola, era o seu primeiro dia de aulas e eu como também queria ir, tentei perceber o porquê de ele ir e eu não, como eu era uma criança cheia de teorias, mesmo não sendo as mais acertadas, pensei que ele tinha ido para a escola por ter caído no dia anterior, não sei porque associei isso, mas pensei que a escola fosse um castigo visto que o meu irmão não estava contente quando saiu de casa. O que aconteceu a seguir foi que eu continuei com as minhas teorias malucas e achei que se fizesse o mesmo que ele, supostamente teria o mesmo castigo.
Lá fui eu brincar sozinha, cheguei ao cimo dos degraus e o que faço? Atirei me de lá abaixo, fui de rolos, piquei me toda, acabei por chorar, afinal tinha me magoado, mas no fundo estava com aquela fé que no dia a seguir ia para a escola mesmo toda arranhada.
Uma das primeiras decepções da minha infância foi quando acordei no dia a seguir toda motivada e apercebi me que não, não iria para a escola, mesmo depois do esforço que fiz. 
É muita tristeza para uma criança só.